segunda-feira, 9 de maio de 2011

O Segredo de Sucesso do Magazine Luiza



   A presente atividade tem por objetivo analisar e discutir o segredo do sucesso do Magazine Luiza, rede de lojas de varejo do interior paulista.
   A tipologia criada por Perez Vilariño e Schoenherr sugere três tipos de controle que são: “controle direto – exercido por meio de imposição de ordens e vigilância explícita, adotado em pequenas empresas, hospitias psiquiátricos, em prisões e em muitas fábricas; controle estrutural que se utiliza de normas, regulamentos, divisão hierárquica e critérios de seleção pessoal realizado em grandes organizações burocráticas e por último, controle difuso que é exercido por de aspectos culturais, em universidades e associações, que possui rituais e vocabulários próprios que unem seus membros”.

   Observa-se que no case do Magazine Luiza dentro das tipologias de controle conceituadas por Vilariño e Schoenherr, entende-se que a rede lojas de varejo adotou o controle organizacional difuso, em que suas características são similares conforme a conceituação acima.
   Um dos grandes segredos do Magazine Luiza é a humanização, ou seja, a valorização do ser humano, a forma pela qual todos os membros da organização são tratados de forma igualitária e horizontal. Luiza Helena Trajano, superintendente da rede de lojas de varejo, alerta que os “problemas devem ser resolvidos na hora, sem necessidade de chegar à diretoria, além disso, qualquer funcionário pode falar com quem quiser, se for preciso, a hierarquia pode ser subvertida”.








   O Magazine Luiza era uma pequena rede de lojas de varejo do interior paulista. A superintendente, Luiza Helena Trajano, sobrinha da fundadora Luiza Helena Donato, começou trabalhar na empresa aos 12 anos, passando por diversos setores como balconista, cobradora, gerente de loja e diretora comercial, possibilitando-lhe ter uma visão holística da organização. Na concepção da superintendente, o Magazine Luiza tem sido considerada a melhor empresa para se trabalhar no Brasil porque conseguiu colocar o homem e o lucro no centro de tudo, conciliando o  interesse e a participação efetiva dos colaboradores nos rumos almejados pela organização.
   A Luizinha, como é conhecida, com seu jeito peculiar de conduzir os negócios, busca informações entre seus colaboradores, ouvindo-os, consultando-os, quando precisa de novas idéias. No entanto, ela procura envolvê-los e sintonizá-los no processo administrativo e isso faz com que haja uma humanização nos processos decisórios dando oportunidade ao surgimento de novos líderes e empreendedores.
   Alguns sistemas de comunicação burocráticos como ofícios, circulares, foram extintos, deixando a comunicação interna, mais acessível e democrática.
   Naturalmente, qualquer ramo de atividade, incluindo os negócios, existem cotas e metas a serem atingidas, e no Magazine Luiza não é diferente em se tratando de objetivos a ser alcançados, mas isso com uma diferença em comparação a muitas organizações onde há disputas interna, prejudicando o desempenho geral da empresa. Enquanto no Magazine Luiza as cotas e metas são objetivos perseguidos por todos os colaboradores de toda rede de lojas, fazendo com que  uns se preocupem com o bom desempenho dos demais, como pode se verificar no e-mail a seguir, enviado por um dos colaboradores: Contar o que dá certo também é parte da estratégia. “Aqui a gente troca experiências o tempo todo”, diz Matias Alves Teodoro Taveira, gerente da maior loja do Magazine Luiza em Franca. “Se uma idéia deu certo em outra unidade, por que não daria aqui? O que há de errado em copiar? Quer um exemplo?” Matias abre um e-mail que acabara de receber do gerente da região.

Caros Gerentes!!! Segue anexo o resultado das vendas atualizado até ontem. Temos apenas três filiais abaixo da previsão. Vamos nos mobilizar e juntos buscar alternativas para que as lojas UR/05, AX/02 e PS/19 consigam atingir o volume de vendas durante esta semana. Vamos ligar para os gerentes das filiais acima e dar sugestões a eles para que consigam reverter o resultado.

Abraços, ANTONIO CARLOS.

    Segundo João Freire, (1993), “a cultura particular de empresa, por sua vez, implica a existência de projetos coletivos, sentimento de presença, e a aquisição, transmissão e partilha de uma mesma cultura por todos envolvidos”.
    No entanto, tais características se fazem presente na organização analisada, vislumbrando o sucesso das lojas filiais e virtuais, eliminando a concorrência entre elas.
    A fidelidade, a honestidade, o carisma e a confiança são marcas fortes no caráter do Magazine Luiza e estas e outras virtudes citadas anteriormente tem encorajado à administração a arriscar e inovar sem medo de conquistar excelentes resultados, como por exemplo a criação de lojas virtuais, mesmo antes da internet, naqueles cidades ou bairros menos populosos, elevando o faturamento da empresa ao patamar de 11,8%, índice muito alto em se tratando de um montante de 100 milhões de reias.










   Portanto, a essência do sucesso do Magazine Luiza está na valorização do ser humano, na humildade e na humanização. O controle organizacional e o estilo democrático adotado pela administração da rede de lojas de varejo estimulam a motivação, a inovação e a criatividade de seus parceiros colaboradores que vêem a reciprocidade no sucesso, evidenciando na medida em que cotas e metas são atingidas e a prioridade dos funcionários na participação acionária da empresa numa futura abertura de capital e esta e outras medidas participativas impulsionam cada vez mais na busca do sucesso da organização.







Referências bibliográficas

Apostila FGV Online – O Segredo do Sucesso do Magazine Luiza - módulo 3

O segredo do sucesso do Magazine Luiza.  Exame, 17 set. 2003, p. 52 a 60. Disponível em: <http://www.skywalker.com.br/artigos/corpo.php?id=103>. Acesso em: 21 jul. 2008.
MATIAS, Ana Mafalda Portas. Cultura Organizacional. Disponível em: <http://www.ipv.pt/forumedia/5/16.htm>. Acesso em: 10 abr. 2006.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário